> VISITA A RLAM | Sindipolo

VISITA A RLAM

PUBLICADO:

Salvador, Bahia, 16 de agosto de 2013.

 

Ao coordenador da Bancada dos Empregadores na CNPBz,

Clovis Queiroz Veloso

C/C coordenador da CNPBz,

Luiz Sérgio Brandão de Oliveira

 

 

CONSIDERAÇÕES DA BANCADA DOS TRABALHADORES À VISITA A RLAM

 

 

A Comissão Nacional do Benzeno esteve em visita técnica a RLAM, refinaria da Petrobrás na Bahia no dia 14 de agosto de 2013, para cumprir a agenda de reuniões acertadas para o ano de 2013, e verificar o cumprimento das recomendações deixadas pela mesma comissão em março de 2012. A CNPBz foi recepcionada com apresentações que tomaram toda a parte da manhã, estavam representando a empresa os coordenadores e gerentes das áreas ligadas as questões do benzeno da RLAM e da Sede. As apresentações dos diversos representantes ficaram muito embasadas no tratamento diferenciado entre correntes acima e abaixo de 1%. Foi questionada a ausência dos riscos de exposição ao benzeno no ASO, assim como a ausência da exposição ao benzeno no PPP. Ouvimos todas as áreas ligadas à questão do benzeno, desde a área estrutural até a saúde dos trabalhadores, PPEOB e PCMSO, assim como a atuação do GTB da RLAM.

Alguns questionamentos foram feitos sem um retorno imediato, o que entendemos que deveria ter ocorrido naturalmente dos profissionais que compõe as diversas áreas da refinaria. Dentre os questionamentos um dos que chamou a atenção foi o índice de julgamento apontado pelo coordenador da Higiene Ocupacional, que indicou a periodicidade do monitoramento ambiental de 64 semanas, como se não houvesse nenhuma exposição nas áreas operacionais, sendo que as diversas evidências não apontam para isso. A bancada dos trabalhadores e do governo tiveram disponibilizados alguns documentos relativos aos temas apresentados, entendemos que pelo pouco espaço de tempo disponível, dentro da visita técnica, não teríamos a possibilidade de uma apreciação mais apurada dos referidos documentos, por isso estamos solicitando e sugerindo que os referidos documentos disponibilizados possam fazer parte de uma apresentação para o Sindicato, CIPA, GTB e CEPBz – BA.

Foi anunciada a partida de unidades HDT e HDS que terão correntes de naftas, propomos que as mesmas sejam tratadas e incluídas preventivamente no PPEOB até que a unidade esteja estabilizada. Assim como, que seja observado o cumprimento da totalidade do Acordo do Benzeno destacamos que se o escopo da unidade indicar presença de benzeno, tal dado deve ser considerado para inserção no PPEOB, pois em momento de instabilidade operacional a mesma pode apresentar altas concentrações.

Sobre o trabalho do GTB, entendemos que houve um maior apoio da gestão atual da empresa, após a visita de março do ano passado. O GTB conseguiu realizar um organizado trabalho. Um dos avanços positivos foi à participação destes junto ao grupo de apoio ao PPEOB e o envolvimento do mesmo na revisão dos GHE’s.

Quanto ao retorno sobre as recomendações da ultima visita da CNPBz a empresa demonstrou que houve um investimento, não da totalidade desejada pelos trabalhadores, entendemos também que o cronograma de melhorias nas áreas apontadas deve e pode ter mais celeridade no cumprimento dos prazos estipulados.

 

A VISITA NAS ÁREAS:

LABORATÓRIO

O laboratório da RLAM teve avanços desde a última visita em março de 2012, estava com visual bom de organização e limpeza, foi apresentado o novo sistema fechado de descarte de resíduos líquidos do laboratório, foi apresentado o programa de redução de resíduos nas amostragens, com utilização de menores volumes para análises.

Como pontos de melhoria propomos:

  1. Urgentemente, analisar uma melhor forma de captação das emanações na sala de motores, onde são realizadas análises de octanagem nas naftas e gasolinas, produtos que contem benzeno em sua composição.
  2. Instalar nas centrífugas para análise de BSW em petróleo proteção fechada de coifas ou capelas, pois além do benzeno contido no petróleo e por se tratar de produto leve, com alta emanação de hidrocarboneto utiliza-se nafta pesado com benzeno na diluição para realização da análise.
  3. Instalar detectores de gases nas salas do laboratório, como camada de proteção em redundância as capelas.
  4. Instalar filtros para vapores orgânicos no sistema de exaustão das capelas, antes de lançar esses gases na atmosfera.
  5. Adequar os sistemas de exaustão das capelas que estão subdimensionados.
  6. Adequar a sala de limpeza dos frascos, em que o ambiente estava com odor de hidrocarbonetos. Observado trabalhadores manuseando frascos contaminados sem uso de máscara com filtros para vapores orgânicos. Foi visualizada uma falha na divisão de ambientes da capela de limpeza de vidrarias, onde os frascos com as amostras são manuseados de maneira inadequada.

Obs.: Fomos informados que o setor contratou uma empresa especializada em capelas para manter manutenção contínua das mesmas, porem observamos que os indicadores da maioria das capelas visualizadas estavam apresentando alguma falha.

 

UIDADE 30

Unidade de produção de N-parafinas e outros componentes do querosene. Nesse processo de produção, utiliza-se o N-Hexano que circula em vários pontos, com concentração de benzeno entre 3 a 5%. A unidade estava com um visual bom de organização e limpeza, mas com pouca sinalização e outros pontos de falhas em relação ao Benzeno:

  1. Encontramos alguns pontos de vazamento, em válvulas e conexões abaixo dos adsorvedores, bem como tivemos dificuldade de identificação dos pontos por falta de TAGs.
  2. Ausência de placa de indicação de observação da direção vento e não visualização da biruta.
  3. Forte odor característico de benzeno na área e conforme comentários recolhidos de operadores, as emissões fugitivas estão em níveis alarmantes, principalmente na área do B-3002 e Adsorvedores.
  4. Adequação das bombas com selo magnético e duplo foi recente, em não em sua totalidade.
  5. Deficiência de placas de aviso da presença do benzeno, equipamentos e tubulações.
  6. Manutenção no permutador C-3023, equipamento que contém benzeno em sua corrente, sem as devidas medidas de segurança para a intervenção.
  7. Observados drenos e vent’s direcionados para sistema aberto: Ex: Dreno de bombas (J-3004, J-3007 e outras), vasos, PI no LB da linha de N-Hexano.

 

UNIDADE 32

Unidade de destilação a vácuo possui correntes com benzeno de até 1,2% na corrente de nafta leve.

A Unidade apresenta organização e limpeza, mas ainda com uma carência na sinalização de alerta sobre a presença de benzeno na área.

  1. Possui cinco amostradores, quatro padronizados para benzeno e um em processo de instalação. Porém, ainda, com treinamento dos operadores para utilizarem esses equipamentos em andamento, sem identificação de tag e sem identificação da presença do benzeno. Instalaram amostradores de agulha, com uso de garrafas de vidro e septos, por isso indicamos a manutenção semestral dos mesmos, e o uso dos septos por uma única vez.
  2. Instrumentos na linha de nafta leve não estão com suas instalações adequadas para benzeno. Ex: FT-32161 e FI-32016;
  3. Problemas de placas de sinalização de área, equipamentos e tubulações;
  4. Bombas não foram adequadas com selo magnético ou selo duplo;
  5. Drenos e vent’s para sistema de drenagem aberto;
  6. Drenagem aberta dos vasos acumuladores de condensado (vapor de topo) das torres E-3001 e 3003 (equipamento do PPEOB) realizada em rotina operacional, uma vez por turno, expondo trabalhadores ao benzeno.

 

Solicitamos o cronograma de adequação das bombas para selo duplo ou por tecnologias magnéticas e que o mesmo seja entregue ao Sindicato, GTB RLAM, CEPBz e CNPBz, para que estejam a par do cumprimento do mesmo.

Recomendamos que seja mais bem disseminada as informações sobre o prejuízo a saúde do trabalhador a toda força de trabalho, inclusive aos trabalhadores terceirizados.

Recomendamos a instalação de detectores de benzeno on line nas diversas áreas.

Os equipamentos com presença de benzeno devem ter prioridade de manutenção, assim como indicamos a melhor identificação dos tags dos equipamentos, também falta incluir no processo de planejamento e liberação de equipamentos do PPEOB registro automático da presença de benzeno. Ex: Análise de Risco e Permissão de Trabalho que tenha uma identificação específica de presença do benzeno, através da integração dos sistemas informatizados.

Propomos que as unidades que lançam benzeno na atmosfera, através do flare e qualquer outra emanação, sejam enquadradas como área classificada no PPEOB, entre elas Unidade 29.

Propomos que a capitação de ar, tanto do laboratório, como das CCLs e de todas as salas fechadas na área física da refinaria, possuam filtros especiais que bloqueiem a entrada de todos os produtos químicos oriundos da área operacional.

Conforme informações recebidas de trabalhadores as drenagens dos tanques da Gasolina para venda, que possuem aproximadamente 0,8% de benzeno são drenados para o céu aberto e as amostragens são realizadas em torneira, causando uma grande emanação do produto. Principalmente tratando-se de uma refinaria com altíssimo volume de venda e produção de gasolina, salientamos que em situação de vazamento, drenagens e abertura de equipamento as concentrações de benzeno no ar se elevam, por isso cobramos que o mesmo tratamento para correntes acima de 1% seja estendido para correntes com produtos abaixo de 1%.

 

A bancada dos trabalhadores cumpridora do protocolo de visitas técnicas sugere que possamos em próximas visitas participar da elaboração do roteiro em áreas pelos trabalhadores escolhidas e com a possibilidade de um contato maior com os trabalhadores das áreas, assim como em um tempo compatível para uma visita deste porte.

 

A bancada dos trabalhadores reafirma o seu entendimento de que toda área física da refinaria visitada é uma área de risco e repudia de forma veemente o tratamento que a Petrobrás, emanada de seu corporativo, dispensa nas suas diversas unidades quanto ao cumprimento do Acordo e Legislação do Benzeno, que se diz signatária. Entendemos também que uma empresa do porte da Petrobrás pode em todos os momentos realizar as adequações a legislações vigentes, sem que seja preciso a fiscalização do poder público ou de recomendações de órgãos oficialmente reconhecidos.

A bancada dos trabalhadores coloca-se a inteira disposição caso seja preciso algum esclarecimento pelo documento e relatório elaborado.

Atenciosamente,

 

Antonio Felipe Goulart

P/ Bancada dos Trabalhadores na CNPBz

111111111111