> REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DO BENZENO | Sindipolo

REUNIÃO DA COMISSÃO NACIONAL DO BENZENO

PUBLICADO:

O SINDIPOLO participa­rá, entre os dias 15 e 17 de junho, da 70ª Reunião da Co­missão Nacional do Benzeno (CNPBz). Durante três dias, os participantes estarão com uma intensa agenda, que in­clui reuniões das bancadas (trabalhadores, empresas e governo), reuniões gerais e plenária. Na programação haverá ainda espaço para re­latos dos representantes das Comissões Estaduais e Regio­nais do Benzeno.

A programação do en­contro começa dia 15 com uma visita técnica a Recap (Refinaria de Capuava) que está localizada na região me­tropolitana de São Paulo e que responde pela comercia­lização de cerca de 30% do volume de combustível da Grande São Paulo.

No dia 16 na parte da ma­nhã teremos as Reuniões das três bancadas,Trabalhadores, Governo e Empregadores se­paradamente. Na parte da tarde acontece a Reunião Tri­partite somente com os mem­bros oficialmente indicados.

Já no dia 17 na parte da manhã segue a Reunião Tri­partite. Na parte da tarde reúnem-se as Bancadas do Governo e Trabalhadores em uma Reunião Plenária.

Para os trabalhadores presentes foi desenvolvido uma programação que co­meça no dia 15 com uma palestra proferida por uma representante do Centro de Vigilância Sanitária da Se­cretaria de Saúde do Estado de São Paulo que vai abor­dar o tema “Nafta Solventes e seus Efeitos à Saúde”. No dia 16, na parte da tarde, e 17 pela manhã, teremos, a cargo da Fundacentro, pa­lestra sobre Investigação de Acidente do Trabalho.

Na Reunião Plenária na tarde do dia 17 teremos como pauta:

1 – Aprovação do Relato da Plenária de Belo Horizonte (Novembro/2014);

2 – Relato da Reunião Ordiná­ria da CNPBz de 11/06/2015;

3 – Informes das Comissões Estaduais e Regionais do Benzeno.

 

Riscos Psicossociais no Ambiente de Trabalho

As causas mais comuns de estresse no trabalho são riscos psicossociais relaciona­dos à organização do traba­lho, projetos de trabalho, tra­balho e suas condições, bem como as condições externas que podem influenciar o de­sempenho do trabalhador, sa­tisfação na ocupação e saúde.

Embora o impacto do es­tresse no local de trabalho va­rie de um indivíduo para o ou­tro, ele é conhecido por trazer consequências para a saúde que variam de transtornos mentais a doenças cardiovas­culares, músculo esqueléticas e reprodutivas. O estresse no trabalho também pode levar a problemas comportamen­tais, incluindo abuso de álco­ol e drogas, aumento do taba­gismo e distúrbios do sono.

“Todos esses problemas são associados à falta de mo­tivação, satisfação, compro­metimento e desempenho no trabalho, também às faltas e rotatividade de funcionários e aposentadoria antecipada – tudo isso pode levar à di­minuição da produtividade, competitividade e arranhar a reputação das organizações”, afirmou Julietta Rodriguez, da área de saúde do trabalho da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e Organiza­ção Mundial da Saúde (OMS).

EM BUSCA DE SOLUÇÕES

A OIT e a OMS emitiram diretrizes e recomendações para sanar estes problemas, entre elas a promoção do em­poderamento do trabalhador, participação e satisfação, assim como a adoção do conceito da OIT de “trabalho de­cente”, cujos elementos incluem emprego justo, respeito pelos direitos humanos, regras laborais, proteção ao meio ambiente, transparência e diálogo social. A OIT também re­comenda que os países incluam em suas listas de doenças ocupacionais o estresse e os transtornos mentais, garantin­do assim que esses possam ser identificados, quantificados e posteriormente tratados.

Por sua vez, a OPAS/OMS também emitiu recomenda­ções, orientações e intervenções para a prevenção de pro­blemas de saúde mental devido a riscos psicossociais e pu­blicou a série “Protecting workers` health”, que promove medidas e políticas para minimizar a exposição a esses pro­blemas. De acordo com as recomendações da OMS, a polí­tica de trabalho apropriada deve ser baseada nos seguintes princípios éticos:

Cobrir todas as exposições perigosas dentro do ambiente de trabalho

Aplicar normas de bom comportamento, atenção e res­ponsabilidade

Incluir abordagens que impeçam comportamentos antiéti­cos, agindo sobre eles, caso ocorram

Promover a responsabilidade e prestação de contas de to­dos no local de trabalho

“A carga de estresse no trabalho e os transtornos men­tais dentro desse ambiente sinalizam para a necessidade ur­gente que criar e promover locais de trabalho saudáveis em que a saúde física, segurança e bem estar são protegidos, não prejudicados”, alegou Kira Fortune, chefe do progra­ma Desenvolvimento Sustentável e Igualdade na Saúde, da OPAS/OMS.

111111111111