> REJEITADA PROPOSTA DAS EMPRESAS E APROVADA CONTRAPROPOSTA | Sindipolo

REJEITADA PROPOSTA DAS EMPRESAS E APROVADA CONTRAPROPOSTA

PUBLICADO:

Nas assembleias da se­mana passada, iniciadas com uma atividade onde parti­ciparam trabalhadores do ADM e do turno que entrava as 8h (foto acima), os traba­lhadores da Oxiteno, Video­lar-Innova e Braskem, rejeita­ram a proposta das empresas de reajuste salarial de 9,15% pago em duas parcelas; mes­ma forma de reajuste para os auxílios educação, creche e por filho com necessidades especiais, além de manuten­ção do acordo anterior. A categoria também aprovou uma contraproposta que busca data-base 1º de se­tembro; reajuste salarial de 12,15% sem escalonamento e outras questões conforme o quadro abaixo.

Em reunião com as em­presas na sexta-feira (4) apre­sentamos a proposta aprovada pela categoira nas assembleias, deixando claro as expectati­vas dos trabalhadores de uma evolução efetiva na proposta apresentada pelas empresas e rejeitada nas assembleias.

As empresas ficaram de analisar o que foi apresen­tado pelos trabalhadores e quando tivessem uma posição entrariam em contato com o Sindicato para marcar nova reunião, com objetivo de dar continuidade à negociação.

CONTRAPROPOSTA DOS TRABALHADORES

– Para os trabalhadores da Braskem auxílio educação de R$ 4.311,35, por núcleo familiar, além de instituições de ensino e curso de idiomas; ?para os trabalhadores da Videolar-In­nova e Oxiteno auxílio educação de R$ 1.145,96 por núcleo familiar, além de instituições de ensino e para curso de idio­mas; – vale alimentação mensal de R$ 138,00; – Reajuste de 15,23% nos demais Auxílios (creche e filhos com neces­sidades especiais); – pagamento de todas as horas extras e multa nos casos de não pagamento; – abono de férias de um salário bruto + 1/3 estabelecido em lei; – licença paternida­de de 20 dias; – seguro aposentando de 60 meses; – quatro folgas individuais a critério de cada trabalhador; – reajustes do valor da participação do trabalhador no Plano de Saúde de, no máximo, o percentual do reajuste salarial da categoria; – mais dias de liberações por dirigentes sindicais a cada ano; entre outras questões.