REDUÇÃO DE CUSTOS NA BRASKEM GERA INSEGURANÇA

PUBLICADO:

Hoje há entre os trabalhadores da Braskem uma sen­sação enorme de in­segurança devido as reduções de custos. Com as demissões e aposentadorias hou­ve uma forte queda na senioridade e isto, associado a um efe­tivo mínimo, é um presságio para acidentes que podem levar a consequências catas­tróficas. Estes avisos já estão surgindo em incidentes e acidentes, tanto com os tra­balhadores diretos, quanto terceirizados. Cabe aqui res­saltar o acidente com morte na PE-08, em São Paulo, no dia 11 de março último.

Alguns fatos para esta in­segurança são:

– certificação dos operado­res de painel e da área indus­trial de forma acelerada sem haver tempo para sedimentar conhecimento com o puro in­tuito de formar logo um “efe­tivo mínimo operacional”;

– treinamento por Ensino à Distância (EAD) das Normas Regulamentadoras do Traba­lho cujo objetivo principal é não gerar horas extras e com isso não ausentar o operador da sua área de atuação. Po­rém, isto gera um treinamen­to inadequado, já que não há como o trabalhador tirar pro­váveis dúvidas destes treina­mentos que irão nortear suas tomadas de ações numa área industrial;

– nas paradas de manuten­ção a operação tem que parar a área e realizar medições para liberação de serviços, com segurança. Devido ao baixo efetivo mínimo dos Téc­nicos de Segurança a opera­ção ainda tem que liberar ser­viços em espaços confinados;

– não recomposição do efe­tivo mínimo operacional na liberação dos operadores para exames periódicos no horário de trabalho;

– a redução do treinamento prático da brigada de emer­gência;

– Pressão das gerências so­bre os ROI`S para não haver dobra de turno e com isso os grupos estão trabalhando muitas vezes abaixo do efe­tivo mínimo operacional de segurança.

 

SINDIPOLO BUSCA REUNIÃO COM A EMPRESA

Infelizmente as afirmações citadas anteriormente têm causa­do sérias preocupações para os trabalhadores e sua representa­ção. Esta sistemática associada a pressão advinda daí, com certeza pode trazer à tona incidentes e acidentes que ninguém deseja.

O SINDIPOLO protocolou na empresa, no dia 8 março, um documento solicitando reunião com objetivo de abrir inter­locução e acompanhar mais de perto as questões de saúde e segurança na empresa. Se esse gesto de boa vontade do SINDIPOLO não puder ser concretizado, estaremos cobrando uma reunião conforme parágrafo segundo, da Cláusula 32ª do Acordo Coletivo vigente.

 

 

 




DESENVOLVIMENTO BY
KOD