> POLIOLEFINAS: Liberado o FGTS | Sindipolo

POLIOLEFINAS: Liberado o FGTS

PUBLICADO:

Em 1988, o SINDIPOLO celebrou Convenção Coletiva prevendo um reajuste salarial em fevereiro de 89, equivalente à variação da inflação dos três meses anteriores. Contudo, no mês do pagamento, houve congelamento de salários e preços e o aumento não foi concedido.

 

O Sindicato entrou com uma ação, e após vinte e cinco anos, os trabalhadores finalmente receberam as diferenças devidas pelo reajuste não pago. O FGTS, contudo, ficou retido.

 

Agora, finalmente, os valores estão liberados e serão pagos a partir do dia 07/07/2016. O percentual a ser recebido é exatamente o mesmo do FGTS do salário.

 

 

Atenção:

 

  1. 1. Só tem direito ao FGTS aqueles que já receberam o principal.

 

  1. O FGTS daqueles que estão trabalhando será depositado, pela empresa, nas contas vinculadas de cada um. Nem o SINDIPOLO nem os advogados contato com esses pagamentos.

 

  1. Os demais beneficiados receberão diretamente.

 

3.1. É indispensável a apresentação de documentos com foto.

 

3.2. Os pagamentos serão feitos no SINDIPOLO na quinta-feira dia 07/07/2016, das 10:00/18:00.

 

3.3. Após essa data, o pagamento ocorrerá, com hora marcada, no Escritório de Direito Social, responsável pela condução da ação, situado na avenida Borges de Medeiros, 612, 2º andar. O horário deve ser agendado pelo fone telefone é 51 3215-9000.

 

3.4. Os que preferirem, podem receber mediante crédito em conta. Essa modalidade somente é possível se o interessado for o titular da conta a ser favorecida. Essa opção pode ser feita pessoalmente no Escritório de Direito Social, localizado na avenida Borges de Medeiros, 612, 2º andar ou pelo to pelo telefone é 51 3215-9000, com Graci ou Ivanir.

 

 

Cabe lembrar, por fim, que estamos cobrando diferenças de correção monetária sobre o valor total recebido. Perdemos essa discussão na Vara de Triunfo, ganhamos no Tribunal Regional do Trabalho. A empresa apelou para o TST mas, o seu recurso não foi admitido. Agora, a empresa procura convencer o TST de que ele deveria ter sido aceito.

Ainda não há decisão sobre isso e nem qualquer previsão de quando e se sairá o valor.