Petroleiros paralisam por avanços na negociação

PUBLICADO:

Na sexta-feira, 3, os trabalhadores diretos da Petrobras realizaram uma paralisação nacional para pressionar a empresa a avançar na negociação com a categoria.  Nas refinarias, plataformas, campos de produção terrestre, terminais de distribuição e unidades administrativas, os petroleiros demonstraram sua indignação com as discriminações feitas pela Petrobrás, tanto na proposta salarial, quanto no vergonhoso abono pago às funções gratificadas.

Apoio dos terceirizados

Os trabalhadores terceirizados somaram-se à paralisação. Eles também lutam contra a má vontade da Petrobras de garantir seus direitos e verbas rescisórias.

A paralisação foi aprovada pela categoria em todas as bases sindicais representadas pela Federação Única dos Petroleiros (FUP/CUT): São Paulo (SP), Mauá (SP), Campinas (SP), Norte Fluminense (RJ), Duque de Caxias (RJ), Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Manaus (AM) e Coari (AM).

Além do estado de greve e da paralisação do dia 03, os petroleiros aprovaram um calendário de luta que conta também com operações de segurança nas unidades operacionais e mobilizações em defesa dos direitos dos trabalhadores terceirizados.

Reivindicações

Os petroleiros reivindicam reposição da inflação do período pelo ICV/Dieese (estimativa de 5%); mais aumento real e produtividade (10%); melhorias no programa Jovem Universitário; proteção dos direitos trabalhistas dos terceirizados; fórum nacional para debater com a Petrobrás mudanças estruturais na área de SMS.




DESENVOLVIMENTO BY
KOD