> PARADA DE MANUTENÇÃO | Sindipolo

PARADA DE MANUTENÇÃO

PUBLICADO:

Apesar disto tudo, os trabalhadores têm mostrado seu engajamento e profissionalismo, muito além da conta, pois em Paradas Gerais como estas, que ocorrem a cada três anos, os trabalhos são também muito além da conta! Só na UNIB foram 35.000 tarefas planejadas, porém mais de 40.000 realizadas.

Outras categorias, fora e dentro do Polo, como a representada pelo Sindiconstrupolo já tiveram este reconhecimento. E todos sabemos como tiveram que fazer para conquistar este respeito. Os trabalhadores petroquímicos, representados pelo Sindipolo, tentaram pela via negocial desde antes do início da Parada da PP2/PE5 dia 3 de fevereiro, quando entregaram uma proposta formalmente ao RH da empresa. Mas com a velha técnica de enrolar e ganhar tempo, se aproveitando da ética, profissionalismo e dedicação dos trabalhadores, ela não quis aceitar um Acordo de Parada onde constassem cláusulas de contrapartidas econômicas como uma hora extra diferenciada (exclusiva para Paradas) de 120% e uma valorização de mais 25% no valor da PLR 2014 a ser pactuado. O SINDIPOLO também destacou que não aceitaria discriminação no Acordo e que ele era PARA TODOS OS TRABALHADORES envolvidos na Parada, considerando ROIS, engenheiros e outros coordenadores.

PERVERSIDADES PLANEJADAS

Além de não aceitar a proposta dos trabalhadores, ainda aplica algumas perversidades. Está forçando os trabalhadores de turno a não lançarem como hora extra seus horários de refeição e ainda não informou corretamente a forma do registro das horas de folgas. Toda esta “desinfor-mação” não é por acaso! É para gerar ruído entre os tra-balhadores e assim não pagar o que é devidamente correto. Reiteramos que o horário de descanso e refeição dos turneiros não deve ser descontado da quantidade de horas extras realizadas, tanto é assim, que no início da Parada da PP2/PE5, não foi descontado e nos períodos de condicionamento para entrega dos equipamentos à manutenção e na preparação para partida das unidades também. Não somente os trabalhadores que compõem a Brigada de Emergência e os que acompanham testes nos equipamentos nestes horários, mas todos regidos pelo Acordo de Turno, pois estão direto na área industrial, inclusive realizando reuniões neste horário.

Como não bastasse todo este enrosco da Braskem, temos que ter muita atenção nos perigos de vazamentos e contaminações durante as partidas das unidades. Isto vem ocorrendo, e devemos ter os monitoramentos realizados corretamente, bem como a coleta de urina para análise com a resposta entregue em um menor prazo de tempo possível.

Continuamos insistindo no reconhecimento não só destes equívocos premeditados pela empresa, mas da contrapartida econômica necessária para um momento extraordinário como é uma Parada de Manutenção. Se o diálogo não resolveu a questão, a categoria sabe muito bem o que deve ser feito para avançar no que acredita ser o correto e o justo!