> PARADA DE MANUTENÇÃO NA BRASKEM Q2/RS E BRASKEM UNPOL | Sindipolo

PARADA DE MANUTENÇÃO NA BRASKEM Q2/RS E BRASKEM UNPOL

PUBLICADO:

A Parada de Manutenção que está ocorrendo no Polo Petroquímico visa atender com maior intensidade um escopo ampliado de atividades plane­jadas na Braskem Q2/RS, mas não po­demos deixar de tratar também das demais Paradas que estão ocorrendo em decorrência desta. No período de 19/03 a 08/04 as Unidades PP1, PP2, PE4 e PE5 da Braskem estarão realizan­do Paradas e intervenções de manu­tenção, fora do seu cotidiano normal.

Na última sexta-feira, dia 16, apro­veitando para tratar de algumas reivindi­cações que surgiram dos trabalhadores já no início da Parada da Braskem Q2, estivemos conversando com a empresa e definimos que as demandas que os tra­balhadores estão trazendo ao Sindicato serão formalizadas por documento para que as providências possam ser tratadas com mais eficácia, tanto da Parada na Q2/RS como nas Unidades da UNPOL.

Já temos relatos, por exemplo, de que os chuveiros na PP1 aquecidos por boiler, estão com avaria nas válvulas de regulagem da vazão e temperatura da água, além de vários componentes dani­ficados nos chuveiros e nos box.

Portanto, torna-se importante que os trabalhadores (Diretos e Terceiriza­dos) procurem os dirigentes sindicais e relatem os problemas encontrados, bem como sugerindo também algu­ma forma de melhoria, para que ain­da tentemos em conjunto solucionar problemas vivenciados no dia-a-dia e aqueles que se ampliaram em função da Parada de Manutenção.

Apesar da preocupação cons­tante com a infraestrutura necessá­ria em relação á alimentação saudá­vel, tempo para higienização no final do expediente, tempo para passagem de serviço com segurança, transporte segu­ro e tempo de deslocamento adequado, entre outras questões que afetam dire­tamente o trabalhador, a preocupação diária com a Segurança e Saúde dos tra­balhadores se intensifica nos períodos de Parada de Manutenção.

 

EXPOSIÇÃO A PRODUTOS QUÍMICOS NA PARADA
Nesta Parada de manutenção, muitos equipamentos estão sendo abertos e acabam expondo os trabalhadores à produtos químicos residuais na planta industrial. Esta é uma das razões para que se amplie a rotina no Monitoramento Biológico de Exposição. A empresa tem se mostrado preocupada com este monitoramento e o SINDIPOLO, através de representantes na CIPA e, especificamente, na Comissão de Benzeno, vem refor­çando em conjunto esta preocupação, em especial com a ex­posição dos Operadores de Processo envolvidos diretamente nestas atividades. Eles devem colher uma amostra inicial de urina, antes do início dos trabalhos de condicionamentos de entrega dos equipamentos para a manutenção e, em cada final da jornada de trabalho, colher novamente a urina para que possa ser feito o acompanhamento pelo setor da Saúde Ocupacional. Esta mesma rotina deverá ser repetida no con­dicionamento de partida das Unidades.

Os trabalhadores de Manutenção, bem como os Operado­res e todos os demais envolvidos nos trabalhos da Parada, de­vem colher amostra de urina, toda a vez que suspeitarem de exposição a qualquer produto químico (não apenas o Benzeno), seja na pele, nos olhos, respiração ou ingestão.

A coleta é feita em um pote específico, disponibilizado pelo setor da Saúde Ocupacional ou através dos enfermeiros do HMV. Esta amostra deve ser acondicionada em local com temperatura a 4ºC para não perder sua condição para análise.

Quando se tratar de Benzeno ou o trabalhador não souber a que produto foi exposto, a coleta deve ser realizada CINCO ho­ras após a exposição. Não pode ser antes e nem depois, pois se­não a amostra não revelará se ocorreu ou não a contaminação.

Caso o trabalhador estiver no final da sua jornada de tra­balho, deverá aguardar na empresa até completar as CINCO horas necessárias e só após esse período é que ele poderá ser liberado. Sempre lembrando que as horas desta permanência para coleta, caso seja necessária, será de responsabilidade da empresa, seja ela Braskem ou a empresa terceirizada presta­dora de serviço na Parada.

RESULTADO DOS EXAMES

Os resultados dos exames deverão ser encaminhados aos trabalhadores e, no caso do trabalhador da Braskem, será ane­xado ao seu prontuário junto a Saúde Ocupacional, caso não dê nenhum resultado alterado. Se constatada alguma altera­ção, o mesmo deverá ser informado imediatamente à área médica. Assim também deverá ocorrer com os trabalhadores terceirizados, devendo ser encaminhado para o setor médico de cada empresa, mas sempre informando aos trabalhadores, inclusive lhe fornecendo uma cópia do resultado dos exames, independentemente de ter havido alteração ou não nos resultados.

O trabalho na área petroquímica, em condições normais, já expõe os trabalhadores a emissões fugitivas, vazamentos e emergências com produtos químicos. Num período de Parada, esta condição se intensifica. Portanto, é preciso ter o máximo de cuidado com a saúde dos trabalhadores, especialmente nos casos de exposição a qualquer produto químico.

O trabalhador, di­reto ou terceirizado, tem que ter consciência de que sua garantia de saúde está na realização deste exame. Portanto, não deve ter receio e nem medo de exigir em fazer a coleta e solicitar o acompanhamento dos resultados.