> LUCRO DA BRASKEM É 68% MAIOR NO 3º TRIMESTRE | Sindipolo

LUCRO DA BRASKEM É 68% MAIOR NO 3º TRIMESTRE

PUBLICADO:

A Braskem divulgou, na semana passada, os seus resultados, com um lucro líquido de R$ 1,34 bilhão de julho a setembro de 2018, uma alta de 68% em relação ao mesmo período do ano passado. Com isso, a receita líquida da Braskem de julho a setembro foi de R$ 16,35 bilhoes, um crescimento de 34% em relação ao ano passado. Já o EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização ) cresceu 30% em relação a 2017, ficando em R$ 3,85 bilhões.  A geração livre de caixa subiu 45%, para R$ 1,54 bilhão, e o lucro operacional saltou 44%, a R$ 2,79 bilhões.

O uso da capacidade instalada das centrais petroquímicas no país subiu cinco pontos percentuais entre julho e setembro, para 95%. Em contrapartida, a desvalorização do real frente ao dólar no trimestre pressionou a despesa com juros. A melhora operacional permitiu à Braskem reduzir a alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida/Ebitda, de 1,9 para 1,81 vez em três meses, em dólares.

O RESULTADO POR PAÍS

BRASIL – A demanda de resinas no mercado brasileiro, considerando-se polietileno (PE), polipropileno (PP) e PVC, ficou em 1,4 milhão de toneladas no trimestre, com alta de 9% ante o segundo trimestre e 3% acima do verificado um ano antes. No acumulado do ano, cresceram 1%, para 2,624 milhões de toneladas. Segundo a empresa, os numeros são uma combinação dos “fortes resultados operacionais no Brasil” (com recuperação das vendas) e margens maiores no exterior (com aumento do volume de vendas dos EUA e México). As exportações, por sua vez, somaram 358 mil toneladas no trimestre, 12% superior ao segundo trimestre e 10% abaixo do verificado um ano antes.

MÉXICO – A taxa de utilização das linhas de PE no México, na Braskem Idesa, ficou em 78% no trimestre, queda de 9 pontos percentuais devido ao menor fornecimento de etano pela Pemex. Frente ao segundo trimestre, quando houve parada programada em maio, a taxa subiu seis pontos. Conforme a companhia, as vendas no mercado mexicano totalizaram 136 mil toneladas, com baixa de 11% na comparação anual. As exportações também caíram, diante da estratégia de privilegiar o mercado interno.

ESTADOS UNIDOS – Nos EUA e Europa, a taxa de utilização ficou em 87%, com queda de sete pontos percentuais, decorrente de parada programada na Alemanha, restrição logística no recebimento de propeno na Europa por causa do baixo nível fluvial e problemas operacionais nos Estados Unidos. No trimestre, as vendas de PP totalizaram 477 mil toneladas, com queda de 13% na comparação anual.

 

 




DESENVOLVIMENTO BY
KOD