> Eleições 2010 | Sindipolo

Eleições 2010

PUBLICADO:

Na eleição de 3 de outubro, os brasileiros escolherão o presi-dente(a) da República, os govenadores(as), os senadores(as), deputados(as) federais e estaduais.

Segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), é fundamental, para os trabalhadores, eleger parlamentares comprometidos com uma política de desenvolvimento que respeite direitos sociais, ambientais e a distribuição de renda, crucial para  reduzir as desigualdades sociais e aprofundar a democracia.

 

Aumentar a bancada de trabalhadores

 

Para o Diap, uma bancada de parlamentares que represente os interesses dos trabalhadores será importante para garantir a continuidade e avanços em projetos que atendam as reivindicações deles e dos movimentos sociais. As confederações empresariais (CNI, CNA e CNT) investem pesadamente em “seus” parlamentares, aumentando suas bancadas. Hoje tem cerca de 220 parlamentares que defendem projetos de interesse do empresariado. Há também uma forte bancada ruralista, cujo principal feito é impedir votações como da PEC 438, que prevê o confisco de propriedades onde é usado o trabalho escravo. Já o número de parlamentares com origem no movimento sindical é de 61.

Apesar disto, a bancada dos trabalhadores, garantiu algumas conquistas, como  a política de aumentos reais para o salário mínimo, reajuste das aposentadorias, a atualização da tabela de cálculo do Imposto de Renda, que reduziu o IR retido na fonte, a legalização das centrais sindicais e oarquivamento do projeto de mudança do artigo 618 da CLT, aquele do FHC (PSDB), que permitia o fim do 13º, das férias, FGTS, das HE, entre outros direitos.

Muitos projetos, que também dizem respeito aos trabalhadores, como redução da jornada (PEC 231/1995), restrições à dispensa do empregado (PL 8/2003), terceirização (PL 4.302/1998) e a Convenção 158 da OIT, estarão sendo disputadas na próxima legislatura. Além disso, o projeto do Fator Previdenciário aprovado no Senado, que está na Câmara, onde sua aprovação dependerá de quem for eleito deputado federal.

Conhecer a história dos candidatos

A principal ferramenta do eleitor neste pleito é a informação. Conhecer a trajetória, a história e o projeto defendido pelos candidatos será a melhor forma de decidir em quem votar.

A maior parte do eleitorado é composta por trabalhadores, aposentados, donas de casa, jovens estudantes, micros e pequenos empresários do campo e da cidade. Com a força do seu voto  podem eleger a maioria dos parlamentares comprometidos com projetos que atendam necessidades destes segmentos. Mas, via de regra, o que acontece é que  são eleitas bancadas de deputados majoritariamente compro-metidas somente com o grande capital.

Diminuir a dependência

Muitas vezes vemos, não concordamos e criticamos determinados acordos dos governos nas esferas federal, estadual e até municipal. Mas estes acordos podem, ao menos, serem minimizados.

Por isto quanto maior for o número de parlamentares eleitos para a Assembléia Legislativa e o Congresso Nacional alinhados com o Governo Estadual e com o Federal, menor será a dependência de acordos, alianças “espúrias” e concessões fisiológicas. Assim os governos terão maiores facilidades para governarem e  implementarem as transformações e os projetos de cunho social tão necessários.