5 DE JUNHO: DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

PUBLICADO:

No próximo dia 5 de ju­nho mais uma vez celebra­mos o DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE. A data é uma oportunidade para que as empresas e as pessoas refllitam sobre o tema, es­pecialmente com foco no desenvolvimento sustentá­vel, de forma a conciliar os aspectos econômicos com os necessários e imprescin­díveis cuidados com o meio ambiente.

No nosso caso, como tra­balhadores petroquímicos, é fundamental que compreen­damos que nosso meio am­biente de trabalho está inse­rido no meio ambiente geral. Portanto, e por conhecermos o que representa uma planta petroquímica, é que temos que redobrar nossa preocu­pação com nossos ambientes de trabalho.

SUSTENTABILIDADE É A PALAVRA

Apesar da alardeada com ênfase e do esforço do corpo técnico das empresas, a sus­tentabilidade (progredir tra­balhando melhores práticas ambientais para atender as gerações presentes sem dis­pensar a visão futura do bem estar do meio ambiente) tem ficado aquém do esperado. No Polo, o desenvolvimento sustentável não condiz com a nossa realidade e muito há a ser observado. Contamina­ções ambientais, a exposição dos trabalhadores e do meio ambiente, os impactos que podem atingir as comunida­des circunvizinhas, corpos de água do entorno do Polo, são questões que entre outras devem fazer parte das nossas preocupações.

Recentemente, notícias na imprensa deram conta de que uma vistoria no Rio Caí feito pelo Ministério Público e pela patrulha ambiental da Brigada Militar constataram aumento de poluição no Rio, que já é o terceiro mais po­luído do Estado. O Rio abas­tece mais de 400 mil pessoas em 41 município do RS. Nos 70 quilômetros vistoriados a condutividade elétrica, que é um indicador da poluição, era superior a mil microsie­mens por centímetro tendo chegado a mais de dois mil. Segundo os técnicos, isso sig­nifica que a situação que já era ruim piorou. Águas colhi­das na região da mata onde fica a central de tratamento de água do Polo Petroquí­mico de Triunfo mostraram a presença de Bário, metal tóxico, que indica poluição industrial.

A situação é atestada pela FEPAM, que informa que além de grandes conta­minações por esgoto domés­tico, agrotóxicos e outros, os efluentes do Polo Petroquími­co de Trunfo também contri­buem para a contaminação do Rio Caí, resultando na maior concentração de pro­dutos químicos da Região Hi­drográfica do Guaíba.

É PRECISO MAIS DO QUE DIZER QUE CUMPREM A LEI

Estes são situações que atestam que é necessário muito mais do que propagandear o cumprimento da lei ambiental. É preciso que as empresas efetivamente tenham consciência de sua respon­sabilidade ambiental, tenham ações concretas para minimizar os efeitos e os riscos ao meio ambiente geral, que se agrega ao meio ambiente de trabalho.

Todos os trabalhadores devem ter um papel central neste cui­dado. Devemos nos preocupar e não deixar os problemas passar ao largo e esperar que outros façam por nós. É preciso uma profunda reflexão quanto aos locais onde trabalhamos e vivemos. Precisa­mos refletir a respeito da verdadeira tragédia que está acontecen­do no meio ambiente geral em que vivemos e potencializar esta preocupação em relação ao nosso local de trabalho.




DESENVOLVIMENTO BY
KOD